Top 9 alimentos que combatem depressão!

Veja quais alimentos são indispensáveis na dieta de pacientes com depressão

A depressão é um transtorno mental grave.

A ciência está investindo cada vez com mais força em pesquisas para desvendar os mistérios deste diagnóstico e apresentar para a população diferentes formas de combater este diagnóstico.

Neste artigo você conhecerá um pouco mais sobre a doença mental que mais afeta pessoas no mundo e qual a importância da alimentação para o combate deste transtorno.

Boa leitura!

 

Depressão – O que é

Considerada a doença do século XXI, a depressão é banalizada por muitos. Infelizmente, ainda há quem a considere equivocadamente como sinônimo de “uma crise de tristeza” ou “drama”.

A falta de informação e a forma muitas vezes descontextualizada ou deliberadamente rasa com que as grandes mídias lidam com o tema são dois fatores muito importantes pela banalização deste diagnóstico que cresce exponencialmente em todo o mundo, inclusive no Brasil.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), maior instituição de saúde do mundo, destaca que este é um dos diagnósticos que mais cresce nas últimas décadas em todo o planeta. Como se não fosse suficiente, diversas pesquisas demonstram que a depressão é um dos maiores causadores de suicídio em todas as faixas etárias.

Comumente compreendida exclusivamente como uma doença emocional, inúmeros estudos vêm demonstrando que há outros fatores associados ao diagnóstico, como contexto ambiental e genética.

Nos últimos anos descobriu-se que os sentimentos de autodepreciação causados pela depressão não podem ser comparados com simples episódios de tristeza, ainda que acentuada. Estes estudos demonstram que pacientes com depressão tem a fisiologia de seu cérebro alterada. Com a chegada da depressão, o organismo do paciente diminui paulatinamente de produzir serotonina, substância responsável pela sensação de prazer.

A comprovação biológica das alterações hormonais nas pacientes com depressão foi fundamental para combater o estigma de que a doença é invenção ou drama. Mais que isso, estas comprovações possibilitaram a realização de estudos que busquem por alternativas práticas para o combate à depressão. Hoje existem diversos alimentos que são conhecidos por ajudar os pacientes a ter uma vida mais equilibrada e saudável.

Veja quais alimentos que combatem depressão e são indispensáveis na dieta de pacientes com este transtorno.

 

Castanha-do-pará, nozes e amêndoas

 

noz

 

Ricas em selênio, antioxidante poderoso, a castanha-do-pará, nozes e amêndoas reduzem o nível de estresse.

Estudos comprovam que na medida certa estes alimentos combatem parte do estresse causado pela depressão. O aconselhado é que seja consumido:

  • 3 unidades de castanha-do-pará por dia,
  • 5 unidades de nozes por dia, ou
  • 10 unidades de amêndoas por dia

Outra alternativa é fazer um mix ou buscar receitas com estes ingredientes.

 

Leite e iogurte desnatado

Ricos em cálcio, o consumo de leite e iogurte desnatado combate a depressão porque elimina a tensão. Além disso, o cálcio reduz a irritabilidade e nervosismo, dois sintomas acentuados em pacientes com depressão.

Especialistas orientam o consumo de, ao menos, 2 copos de leite ou iogurte desnatado por dia.

Frutas

 

alimentos que combatem depressão

 

Existem algumas frutas que auxiliam a produção de serotonina, substância responsável pela sensação de prazer. Conhecidas como agentes do bom humor, as principais frutas são:

  • Melancia
  • Abacate
  • Mamão
  • Banana
  • Tangerina
  • Limão
  • Laranja
  • Maçã

 

Desta lista, destaca-se a laranja e a maçã. Isso porque ambas fornecem ácido fólico. Estudo conduzido pela Universidade de Coimbra (Portugal) demonstrou que o consumo de ácido fólico está associado à redução de alguns sintomas depressivos.

A laranja ainda melhora o funcionamento do sistema nervoso, garante aumento de energia e combate o estresse.

A banana também é uma opção que se destaca entre as frutas quando o tema é o combate da depressão. Rica em carboidrato, potássio e magnésio, a banana é uma fonte riquíssima de vitamina B, responsável pelo aumento de energia. Especialistas afirmam que o consumo diário de banana está associado a redução de ansiedade e melhora na qualidade do sono.

Estudo recentemente publicado pela Universidade Estadual de Carolina do Norte (EUA) demonstrou que pacientes com depressão que consomem entre 3 e 5 frutas por dia sentem-se mais motivados para aderir aos tratamentos, quando comparados a pacientes com o mesmo diagnóstico que não possuem frutas em sua dieta diária.

Mel

Assim como as frutas, o consumo de mel auxilia a produção de serotonina no organismo.

Nutricionistas e nutrólogos destacam a importância das medidas, no caso do mel. O mais indicado é que seja consumido apenas duas colheres de café de mel por dia.

Rico em açúcar e extremamente doce, o consumo exacerbado de mel pode melhorar a produção de serotonina, mas prejudicar outras esferas da saúde.

Ovos

Fonte de vitaminas do complexo B, o consumo de ovo está associado com a melhora no humor. Este é o ingrediente mais polêmico da lista. Isso porque, apesar de auxiliar no humor dos pacientes, o mesmo pode acarretar outros prejuízos à saúde, como o colesterol alto.

Alguns especialistas sequer fazem a recomendação deste produto e, definitivamente, não opte pelo ovo em sua versão frita.

Caso você deseje inserir este ingrediente em sua dieta, é recomendado o consumo de apenas uma unidade por dia.

Carnes magras e peixes

 

alimentos que combatem depressão

 

Estas proteínas são ricas em triptofano. Com isso, o consumo de carnes magras e peixes auxiliam no combate à depressão porque:

  • Aumentam a produção de serotonina
  • Melhoram o humor
  • Redução da dor
  • Relaxam o corpo
  • Melhoram a qualidade do sono

Especialistas recomendam até duas porções ao dia e, possível, dando preferência aos peixes.

Chá verde

Rica em diversos antioxidantes e consumido bastante entre aqueles que desejam perder peso, o chá verde é uma das bebidas mais populares no Brasil.

O chá verde possui teanina, aminoácido relaxante que reduz o estresse.

Além de auxiliar no combate a depressão, o consumo deste chá é aconselhado por alguns especialistas como prevenção ao diagnóstico.

Preferencialmente, consuma entre uma e três xícaras de chá verde ao dia. Alguns nutricionistas relatam que o ideal é beber uma xícara dele meia hora antes de cada refeição.

Chocolate amargo e chocolate meio amargo

Desde que moderadamente, o consumo de chocolates traz benefícios irrefutáveis à saúde, de acordo com diversos estudos ao redor do mundo. Chocolate ao leite é uma excelente opção de sobremesa, desde que consumido na medida correta.

Dê preferência para as opções de chocolate amargo ou meio amargo. Eles possuem antioxidantes que freiam o dano causado pelos radicais livres e estimulam a produção de serotonina. Com redução de cortisol e melhora no humor, esta é uma das melhores opções para compor uma sobremesa saborosa e que combata a depressão.

Com cuidado na medida, especialistas relatam que é possível consumir chocolate todos os dias, porém, uma barra deve durar cerca de uma semana.

Cúrcuma

alimentos que combatem depressão

Tempero cada vez mais popular no Brasil e já conhecido no mundo inteiro, a cúrcuma previne diversos transtornos mentais e emocionais.

Com potente ação anti-inflamatória, estudo conduzido pela UVM (Universidade do Vale do México) demonstrou que o consumo de refeições com cúrcuma está associado a prevenção de alguns tipos de câncer.

Com efeitos no sistema nervoso e no cérebro, a inserção da cúrcuma na dieta previne o estresse, a ansiedade e a depressão.

Diferente do restante dos alimentos, a cúrcuma é um tempero. Nesse sentido, não há uma dosagem exata para o seu consumo. O tempero pode ser adicionado nas refeições conforme o paladar de cada um. O tempero vem sendo inserido no preparo de carnes, principalmente carnes brancas. Isso porque, além do sabor, a cúrcuma auxilia no visual do prato, pois empresta sua coloração amarela às carnes.

 

O que mais fazer para combater a depressão?

A alimentação equilibrada e montada com o objetivo de combater a depressão é um aliado fundamental para o tratamento e superação desta doença que captura cada vez mais vítimas em todo o mundo, de acordo com diversas pesquisas nos mais variados países, como:

  • Brasil
  • Estados Unidos
  • Argentina
  • México
  • Espanha
  • Itália
  • Portugal

Outro cuidado que já mostrou sua potência na redução dos sintomas de depressão são os exercícios físicos. De modo geral, os estudos que demonstram a importância da alimentação também relatam que a dieta equilibrada e a prática física em conjunto são mais eficientes que apenas um dos dois.

Entretanto, mais que isso, a depressão é uma doença real e extremamente grave. A Organização Mundial de Saúde (OMS) já apresentou diversos números alarmantes sobre o impacto desta doença em todos os continentes e a quantidade de doenças que vão à óbito devido a este diagnóstico anualmente.

Se aproximando cada vez mais das crianças e adolescentes, não há idade imune a depressão. Nesse sentido, vale a pena ler mais sobre o tema, ficar a par dos sintomas principais e, sempre que necessário, buscar ajuda profissional.

Os psicólogos são os profissionais mais bem formados para atender pacientes com depressão. Dependendo da gravidade do caso, pode ser necessário associar a psicoterapia psicológica com tratamento medicamentoso, recomendado por um médico psiquiatra.

 

Você conhecia os benefícios de todos estes alimentos?

Que tal deixar um comentário com sua opinião sobre estes ingredientes e divulgar estas dicas entre suas amigas?

 

 

 

Pin It


10 dicas de alimentação saudável no verão

Especialista orienta sobre importância da alimentação saudável no verão – Rio de Janeiro chegou a registrar a maior sensação térmica do ano: 45,7 graus

As altas temperaturas registradas nos últimos dias chamam a atenção para a importância de ter uma alimentação mais leve e saudável no verão. Para manter a temperatura interna do corpo equilibrada, o organismo se esforça ainda mais do que em dias menos quentes para que não haja desidratação. De acordo com a nutricionista Leusimar Malta Nunes, da rede carioca de supermercados Prezunic, para evitar o mal-estar é fundamental consumir alimentos naturais, de fácil digestão e menos calóricos.

– Legumes, frutas, verduras, carnes magras (assadas, grelhadas e /ou cozidas), leguminosas (feijões, grão de bico, soja, lentilha) não podem faltar no cardápio. É fundamental beber muito líquido, preferencialmente água. Água de coco e isotônicos também são uma boa opção – orienta, alertando que toda dieta deve ser desenvolvida e monitorada por profissionais de saúde.

Confira algumas dicas que podem ajudar a passar pelos dias mais quentes sem indigestão

10 dicas de alimentação saudável no verão

As altas temperaturas favorecem a desidratação. Beba muita água, várias vezes ao dia. No mínimo, 2 litros por dia. Uma boa opção são as águas aromatizadas, como: água de morango com folha de estévia; laranja, canela em pau e limão; maçã, limão e canela em pau; abacaxi com hortelã; limão, lima da persia, alecrim; gengibre, laranja e hortelã.

A água de coco é uma excelente bebida, já que fornece carboidratos e minerais importantes para o organismo. Assim como isotônicos, que podem ser caseiros com base de água 500 ml, suco natural de frutas (laranja, limão, uva – 50 ml), açúcar (mascavo, demerara ou cristal -2 colheres de sopa), e sal (1 colher de chá). São hidratantes naturais.

Evite alimentos e preparações ricos em gorduras. No verão, a digestão fica prejudicada, causando sensação de mal-estar.

Prefira os picolés de fruta natural, que são menos calóricos em comparação com os sorvetes cremosos.

Comece a refeição com uma porção grande de salada. Elas são ricas em fibras e água, dando maior sensação de saciedade.

Verduras e legumes são alimentos ricos em água e, por isso, eles ajudam a hidratar o corpo. Ingira, no mínimo, 2 porções por dia.

As frutas são boa fonte de água, carboidratos, vitaminas e minerais. Elas podem ser consumidas como sobremesas e, também, como opção para pequenos lanches entre as refeições principais. Ingira, pelo menos, 4 frutas por dia.

Na praia, preste atenção na qualidade e higiene dos alimentos que são oferecidos. O calor favorece a proliferação de micro-organismos, reduzindo o tempo de vida útil do alimento. Batidas de frutas são excessivamente calóricas. Prefira sucos de frutas naturais ou água de coco para se refrescar. Uma boa opção é levar uma bolsa térmica cheia de frutas e água.

Os cuidados com o transporte e armazenamento de alimentos é muito importante, porque o calor aumenta a possibilidade de proliferação de bactérias e possível intoxicação alimentar.


 

Confira nossas dicas de alimentação saudável aqui no blog da Specialità Fitness – conheça nossa loja virtual de moda fitness que tem as roupas de academia mais lindas do Brasil!

Pin It


Alimentação para corredores

Nutricionista dá dicas de alimentação para corredores

Para garantir um bom desempenho e manter a saúde em qualquer atividade física, a boa alimentação é fundamental. Nesse domingo (12), cerca de 1.500 pessoas, entre atletas profissionais e amadores, vão participar da “1ª Corrida e Caminhada Prezunic”, na orla da Lagoa Rodrigo de Freitas. A nutricionista da rede de supermercados carioca, Leusimar Nunes, preparou algumas dicas que farão toda a diferença para quem quer fazer bonito antes, durante e depois da prova.

Antes da prova

Antes do início das atividades, Leusimar recomenda a ingestão dos chamados carboidratos complexos, alimentos de baixo índice glicêmico que demoram mais a ser digeridos. Entre as opções estão pães e torradas integrais, frutas acompanhadas de grãos e sementes como linhaça, granola e aveia. Também é importante ingerir bastante líquido, de preferência água ou água de coco para Iniciar a prova bem hidratado.

“O ideal é se alimentar bem até uma hora antes da corrida ou fazer uma refeição leve quanto faltarem 30 minutos para o início da atividade”, recomenda Leusimar. “Alimentos termogênicos naturais também são indicados, como canela, gengibre, cacau, chá verde e óleo de coco”.

Produtos muito gordurosos e alimentos compostos de carboidratos simples, como açúcar e doces em geral, devem ser evitados, completa a nutricionista.

Depois da prova

Após a corrida, Leusimar recomenda uma alimentação focada na recuperação muscular. O ideal é se alimentar logo depois da atividade física, de acordo com as condições físicas de cada um.

“Quem estiver muito cansado deve aguardar um pouco. O ideal é iniciar a reposição o mais rapidamente possível”, explica Leusimar.

Entre os alimentos mais recomendados para a recuperação pós-corrida estão as proteínas, como carnes, queijos, ovos, iogurtes e grãos, entre eles feijão, soja, grão de bico e lentilha. Carboidratos também devem compor a refeição.

Oleaginosas como castanha do Pará, nozes e avelãs também são bem-vindas após a atividade. Alimentos ricos em ômega 3 dão mais fluidez ao sangue, melhorando a oxigenação muscular e diminuindo riscos cardíacos. Entre as opções estão azeite extra virgem e peixes como salmão, atum e sardinha.

Mundo Saudável

Alimentação para corredores - dicas da nutricionista

Os clientes que participarão da corrida no domingo devem retirar seus kits contendo camiseta, número de inscrição, chip e uma bag personalizada na loja do Prezunic em Botafogo (Rua General Polidoro, 260) no sábado, 11 de novembro, das 9h às 17h. A loja conta com a seção “Mundo Saudável”, também disponível em outras unidades da rede, onde o público pode encontrar uma variedade de produtos light, diet, sem glúten e sem lactose.

Sugestões de Lanches

Antes da prova

  • Salada de frutas com chia, granola e linhaça
  • Banana com aveia, linhaça e chia
  • Iogurte desnatado com granola
  • Pão integral com pasta de ricota e suco de frutas
  • Batata doce, banana da terra, tapioca
  • Shake verde termogênico: 200 ml de suco de maçã, 1 banana, 2 colheres de couve, 1 colher de aveia,2 castanhas e pedaços de gengibre.
  • Shake vermelho antioxidante: 200 ml de chá de hibisco, 1 ameixa sem caroço, 1 pedaço de beterraba crua, 2 castanhas de caju.

Depois da prova

  • Pão integral com pasta de atum, frios, cottage, ricota, iogurte
  • Torrada integral com frios, pastas de proteínas, vitaminas de frutas
  • Salada de frutas com iogurte ou cottage
  • Vitamina de frutas com iogurte, aveia, quinoa, chia
  • Omelete
  • Panqueca de banana: 1 banana, 1 ovo, 1 colher de aveia, amassar a banana, bater o ovo e misturar os ingredientes e colocar na frigideira.

 

1ª Corrida e Caminhada Prezunic

Data: domingo, 12 de novembro de 2017

Largada: 8h

Local: Orla da Lagoa Rodrigo de Freitas (Av Epitácio Pessoa, próximo ao campo de baseball)

Distância: 7,5 km

Retirada do kit: sábado (11/10) das 9h às 17h no Prezunic Botafogo (Rua General Polidoro, 260)

Todos os participantes receberão kits de lanche depois da prova

Mais informações:
www.corridaprezunic.com.br
0800 282-2999
sacprezunic@prezunic.com.br

Pin It


Sopa Fitness pós-treino – receita

Sopa Fitness para acompanhar seu treino no inverno!

Receita e dicas de como aproveitar as sopas da estação sem sair da rotina e mantendo a qualidade das refeições

Sopa Fitness no inverno | Com a mudança de temperatura, o inverno se aproximando, a alimentação tende a mudar também, com isso, as sopas entram na estação a todo vapor. São inúmeras opções que se encaixam em diferentes hábitos, gostos e restrições alimentares. E para quem segue dietas esportivas, de emagrecimento ou tem restrições alimentares, a nutricionista Gabriella Alves dá dicas de sopas ricas em nutrientes para fazer deste inverno um período saudável e saboroso.

Com as baixas temperaturas chegam também as doenças respiratórias e uma boa alimentação é essencial para prevenir gripes, resfriados e alergias (sinusite, rinite…). Nesse caso, a dica da Gabriella é uma sopa bem equilibrada composta de mais de uma fonte de vegetais e uma fonte de proteína. Vale lembrar que para temperar as especiarias e ervas naturais são importantes para evitar o consumo de temperos prontos, ricos em sódio e conservantes.

Mas será que uma sopa pode substituir o jantar, por exemplo? De acordo com a nutricionista é possível “se feita corretamente, contendo alimentos ricos em nutrientes e proteínas, uma sopa pode superar os benefícios de uma refeição sólida à noite”, afirma a nutricionista. Para quem visa emagrecimento, essa pode ser uma opção ainda melhor. Utilizando vegetais de baixo índice glicêmico, é possível manter-se nutrido e estimular o metabolismo.

Sopa Fitness pós-treino

Para quem pratica atividades físicas regularmente uma sopa pós-treino pode ser uma excelente opção para este inverno, mas de acordo com a nutricionista “é fundamental incluir uma fonte de proteína de alto valor biológico, podendo combiná-la com as demais proteínas, e ainda nutrientes essenciais para a recuperação muscular e hipertrofia, como aminoácidos, zinco e magnésio”. (Receita abaixo)

Praticidade e saúde

Mas para quem trabalha e não tem tempo para preparar as sopas diariamente que tal congelar? Para Gabriella o ideal é consumir no momento do preparo, mas se for congelada não tem grandes perdas nutricionais, e para equilibrar a dica é a “base” da sopa, congelar e no momento do consumo finalizar o preparo acrescentando somente os vegetais. . Isso facilita o preparo e ainda possibilita a diversificação dos nutrientes todos os dias. Ou seja, se torna uma forma prática de consumir sopa e você terá a cada dia uma diferente.

Preparem o edredon, o Netflix e uma cumbuca para se aquecer neste inverno e garantir a qualidade da sua alimentação na estação mais fria do ano.

Receita Sopa Fitness

Sopa Fitness Pós-Treino – receita

4 sopa de peito de frango desfiado

3 colheres de sopa de quinoa

1 batata baroa

3 colheres de ervilha

2 dentes de alho

1 colher de sopa de cebola picada

2 colheres de azeite extra virgem

2 colheres de sopa de tomate picado

Modo de fazer

Refoga o peito de frango com alho, cebola, tomate e azeite. Adicione a batata baroa, a quinoa, continue refogando e em seguida acrescente 1 e 1/2 litro de água e cozinhe até que se obtenha a consistência de sopa. Sirva com um fio de azeite.


 

Mantenha sua rotina de treinos no inverno e aproveite as receitas fitness do nosso blog! Para motivar você a malhar no frio, nada como uma roupa de academia novinha, que tal? Conheça as opções da Specialità Fitness,a  melhor loja de moda fitness online!

 

Pin It


Termogênicos Naturais

Termogênicos naturais podem driblar efeitos colaterais de industrializados

Termogênicos Naturais

Termogênicos Naturais | Segundo médico, em receitas acompanhadas, o óleo de coco, café, pimenta-vermelha, chá verde, canela, gengibre e alho são excelentes substistitutos para os pré-treino

Um dos grandes problemas de atletas que iniciam os treinos nas academias é a adaptação aos termogênicos. Palpitações, dores de cabeça e problemas imunológicos podem ser alguns dos efeitos colaterais desses suplementos. Uma solução para quem é mais sensível a esses produtos pode ser natural e acessível.

A dica é do médico Theo Webert, que atua em nutrologia e reequilíbrio corporal. “Óleo de coco e café, por exemplo, é uma ótima opção para ser consumida antes do treino, pois melhora bastante a performance e oferece ação termogênica, que ajuda no emagrecimento”, afirma.

Segundo o médico, que atua em São Paulo, Rio e Brasília, a bebida passa a estimular o seu sistema nervoso, por responsabilidade do óleo de coco, que é cheio de gorduras boas que auxiliam também no controle da sua fome. “O ideal é que a bebida seja consumida uma vez ao dia, se possível pela manhã e, não leva nenhum tipo de açúcar ou adoçante”, sugere.

O médico explica que por ser natural, a receita evita por exemplo palpitações, pressão arterial alta ou até um ataque cardíaco. “Termogênicos industriais podem te levar da euforia à depressão rapidamente. Irritações ficam mais frequentes e pessoas ansiosas, depressivas ou com transtorno bipolar são mais suscetíveis a esses efeitos colaterais específicos”, diz.

Outros alimentos naturais podem surtir o mesmo efeito dos termogênicos, sem os problemas geralmente relatados pelos usuários. “A pimenta-vermelha, o chá-verde, o gengibre, a canela e o alho são alimentos ricos e com propriedades de elevar a temperatura corpórea, acelerar o metabolismo, produzir energia e fornecer saúde”, informa o médico.

O médico lembra ainda que qualquer um desses alimentos naturais auxiliam e muito o sistema imunológico. “Com termogênicos convencionais, a imunidade fica prejudicada basicamente como consequência da irregularidade no sono que os termogênicos causam. Não dormir direito acarreta em vários males, entre eles te deixar fraco e doente”, finaliza.

Como em qualquer dieta, no entanto, o médico orienta que o paciente procure o auxílio de um profissional especializado antes de aderir à qualquer tipo receita. “É importante mencionar que esses alimentos devem ser consumidos com cautela por pessoas com restrições médicas, já que não são indicados por quem tem problemas de hipertensão, problemas cardíacos, intestinais, disfunções na tireóide, úlceras ou insônias, por exemplo”, elenca.

 

Pin It


Mitos e verdades sobre Gluten

Gluten faz mal mesmo? Engorda? O que é verdade e o que é mentira em meio a “modinha” da dieta sem gluten?

Nutricionista desmistifica as polêmicas sobre o glúten e lista os principais mitos e verdades acerca da proteína

Mitos e verdades sobre Gluten

Muito se ouve falar sobre glúten, doença celíaca e dietas radicais que excluem o consumo deste nutriente.Mas, diferentemente do movimento gluten-free propagado de maneira irresponsável por alguns influenciadores de opinião, a alimentação isenta da proteína não deve estar atrelada ao controle de peso ou ser vista como prática saudável para este fim.

De acordo com Marcela Tardioli, consultora em nutrição da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI), “restringir o glúten deve estar relacionado ao controle de alguma doença ou condição adversa ao consumo e deve adotar esta prática somente quem possui diagnóstico e recomendação médica, para que não haja nenhuma deficiência nutricional”, alerta.

Para ajudar a esclarecer sobre os riscos que envolvem o modismo, a especialista elencou os principais mitos e verdades sobre o tema. Confira:

Retirar o glúten da dieta emagrece

MITO.O glúten, de forma geral, é uma proteína encontrada nos grãos de trigo, centeio, cevada e malte e consequentemente nas preparações que contém estes ingredientes. Está associado a alimentos fonte de carboidrato, que contêm vitamina B e açúcar. Na realidade, reduzir e equilibrar a ingestão destes produtos faz com que aconteça a diminuição e o controle do peso por não haver exagero no consumo de forma geral, e não pela ausência do glúten.

É indicada a retirada do glúten da dieta em caso de doença celíaca.

VERDADE. A restrição deve ser feita após um diagnóstico médico da doença celíaca e sinais clínicos (diagnosticados) de sensibilidade ao glúten. No caso da alergia ao trigo, sua ingestão ou preparações que o contenha deve cessar. Tirar o glúten do dia a dia de forma indiscriminada ou que não seja pelos motivos citados acima, não tem respaldo da ciência.

Há relação de rotavírus com doença celíaca.

VERDADE. Estudos recentes apontaram que, principalmente em crianças, infecções frequentes e repetitivas com rotavírus podem aumentar o risco de desenvolvimento da doença celíaca em pessoas com predisposição genética. Uma das hipóteses para esta relação é que as infecções afetam a mucosa do intestino, deixando-as mais suscetíveis à doença.

Doença celíaca tem cura.

MITO. A enfermidade não tem cura, mas com a exclusão do nutriente da alimentação os sintomas já começam a desaparecer. Ou seja, é uma condição controlável, mas que deve receber atenção para o resto da vida.

Cientistas australianos e americanos realizaram alguns testes para a criação de uma vacina para doença celíaca, que visa reduzir a sensibilidade dos pacientes ao glúten. A primeira fase de testes mostrou eficácia, porém ainda existe um longo caminho a ser percorrido até que seja de fato aprovada.

Por fim, Marcela ressalta que uma alimentação saudável deve incluir todos os grupos de alimentos, como cereais, frutas, verduras, legumes, entre outros. “Além disso, entender as diferenças entre a doença celíaca, sensibilidade ao glúten e alergia ao trigo pode ajudar a identificar alguns sintomas que devem ser relatados a um profissional da área de saúde, para correto diagnóstico e tratamento”.

Pin It